compartilhe>

Luiz da Silva Filho encaminhou ofício a deputados nesta quarta (26) com o objetivo de desafogar serviços na capital e remanejá-lo para diversos municípios do interior

Por Giovanni Giocondo

O diretor de Saúde do trabalhador do SIFUSPESP, Luiz da Silva Filho, o Danone, protocolou nesta quarta-feira (26) um ofício solicitando a descentralização do atendimento do Hospital do Servidor Público Estadual e a redistribuição do serviço por hospitais regionais do interior de São Paulo. Coordenador da CCM/IAMSPE no interior do Estado de São Paulo, Danone também pediu que um Hospital Regional de grande porte seja construído no interior.

O objetivo dessa descentralização, que seria feita através de um projeto-piloto, é desafogar a demanda na capital paulista e reduzir os grandes deslocamentos que os servidores do sistema prisional e de outras carreiras do funcionalismo público têm de fazer no dia a dia para conseguir consultas, exames e procedimentos cirúrgicos por meio do Instituto de Assistência Médica do Servidor Público Estadual(IAMSPE).

Também presidente da comissão Municipal da Comissão Consultiva Mista (CCM) do IAMSPE de Presidente Venceslau e Região, Danone argumentou no ofício que a estruturação do atendimento no interior poderia facilitar o acesso dos usuários ao sistema de saúde e garantir mais dignidade aos servidores, que atualmente têm de recorrer ao atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS) apesar de contribuírem mensalmente com 2 % de seus salários para a manutenção do IAMSPE.

No olhar do sindicalista, municípios como Araçatuba, Marília, Presidente Prudente e Assis teriam espaços capacitados para serem alvo de investimentos por parte do governo do Estado e receberiam essa demanda de pacientes. “Independentemente do modelo de atendimento, se via organizações sociais ou cooperativas de médicos, poderiam reduzir as filas verificadas em cidades como Bauru e São José do Rio Preto”, esclarece Luiz Danone.

A reivindicação apresentada pelo diretor de saúde do trabalhador do SIFUSPESP também se justifica pelo fato de que a expansão do sistema prisional pelo interior, verificada sobretudo após o início dos anos 2000, quando grande número de unidades foram inauguradas longe da capital, mas a medida não foi acompanhada pela disponibilização de estrutura de saúde pública de qualidade nas cidades para onde os trabalhadores penitenciários foram deslocados.

O documento foi recebido pelo deputado estadual Mauro Bragato (PSDB) e será encaminhado também aos parlamentares Ed Thomas (PSB) e Reinaldo Algus (PV), ambos com sua história ligada à região de Presidente Prudente e Dracena, para onde o atendimento seria redirecionado. O Ministério Público Estadual também será oficiado.