compartilhe>

A reportagem do UOL publicada nesta terça-feira, 22/08 mostra um comportamento do crime organizado equivalente ao da máfia italiana. Justamente quando o Estado começou a investigar de forma mais profunda o fenômeno no país - o que levou à reorganização da Polizia Penitenziaria - os criminosos manifestavam amplo poder e segurança por já se sentirem fortalecidos e estarem infiltrados nos sistemas político e econômico.

 

Nessa conjuntura, os mafiosos chegaram ao ponto de produzir ameaças a vários juízes e funcionários públicos, fenômeno que levou aos famosos atentados contra o Juiz Giovanni Falconi e o procurador Paolo Borsellino.

 

A população cobrou ações efetivas do Estado, e a partir daí o governo Italiano iniciou a reorganização do sistema penitenciário, o que culminou na operação Mãos Limpas.

 

Esta é uma das razões estratégicas que devem ser levadas em consideração pela sociedade brasileira para a modernização do sistema penitenciário, o que passa pela valorização dos trabalhadores penitenciários e a unificação da categoria, o que inclui maiores investimentos e objetivos claros nas suas atividades.

 

Por esse motivo, o SIFUSPESP defende a aprovação da PEC da Polícia Penal. Do contrário, em um país dividido ideologicamente, com crise econômica em avanço e com o orçamento público congelado, entregamos a vida dos brasileiros paulistas e dos funcionários do sistema prisional a um aumento de violência sistemático.

 

Existe uma elevação no número de assassinatos, violências e ameaças por parte do crime organizado contra nossa categoria e sociedade nos últimos meses. A pergunta que não quer calar é: Por que o PCC quer mostrar força?

 

Saiba mais:

http://www.sifuspesp.org.br/noticias/4570-policia-penal-e-sinonimo-de-mais-seguranca-para-toda-a-populacao

#PoliciaPenal  #ContraPEC287