compartilhe>

Por Redação SIFUSPESP

Na noite deste sábado (14), um policial penal da Penitenciária de Parelheiros, na região sul da capital paulista, foi agredido por 23 detentos. 

De acordo com a denúncia recebida pela direção do SIFUSPESP, ele estava fazendo a retirada de um preso, que desobedeceu uma ordem e precisava ir para o regime de cela disciplinar (RCD). No momento da abertura da cela para saída, o detento de imediato começou a agressão, seguido pelos demais presos que derrubaram o policial penal, desferindo vários chutes e outros golpes que deixaram o servidor bastante ferido - um dedo quebrado, hematomas nas costas, nas pernas e provável fratura no nariz, sendo levado para atendimento no Pronto Socorro.   

Ainda segundo a denúncia, é a terceiro agressão ocorrida neste ano, sendo a pior devido à ação dos detentos da cela inteira. O sindicato está apurando detalhes do caso, mas a informação é de que a direção da unidade tomou todas as providências cabíveis. 

A penitenciária tem muitos problemas estruturais, tais como a falta de automação e reformas que têm se arrastado por vários anos, afetando inclusive parte da muralha. Outro problema é o déficit de funcionários - no momento da agressão, havia apenas seis policiais penais na carceragem - e a superlotação, com 1.684 presos onde a capacidade é para 938. 

Como uma nova diretoria assumiu a gestão da unidade, a direção do SIFUSPESP quer dialogar sobre a situação. 

“O sindicato vai dar uma atenção especial ao caso pela gravidade da agressão e desse déficit de funcionários que está matando os servidores do sistema prisional, principalmente os policiais penais da carceragem. Esperamos que a nova gestão possa dialogar e melhorar as condições de trabalho dos servidores”, afirma Fábio César Ferreira, o Jabá, presidente do SIFUSPESP.