compartilhe>

Por Flaviana Serafim

De 2 de outubro até este 3 novembro, 1.714 detentos foram infectados com o coronavírus no sistema prisional paulista. Houve um salto de quase 21% no período, de 8.264 para 9.979 presos com COVID, entre confirmados por teste rápido e exame PCR segundo dados do boletim da Secretaria de Administração Penitenciária (SAP). O total de servidores penitenciários com coronavírus também aumentou de 1.692 para 1.831, crescimento de 8% em um mês. 

Desde o início da pandemia, 32 servidores penitenciários morreram de COVID-19, segundo  apuração do Sindicato dos Funcionários do Sistema Prisional do Estado de São Paulo (SIFUSPESP), e 33 detentos de acordo com o dado da SAP. 

Os casos mais recentes denunciados pela categoria ao SIFUSPESP são na Penitenciária de Paraguaçu Paulista, na região oeste do Estado de São Paulo, onde seis servidores foram afastados devido à COVID, 15 presos infectados estão isolados e há outros 180 com suspeita de contágio.

A unidade prisional é uma das que sofre com grave déficit no quadro de funcionários, o que coloca em risco a segurança dentro e fora dos muros, como o sindicato vem denunciando permanentemente.  A Penitenciária de Paraguaçu Paulista também está superlotada, com 1.450 presos onde as vagas são para 844, quase o dobro da capacidade, o que agrava ainda mais o cenário. 

SIFUSPESP alerta para importância da proteção para prevenção

Apesar da flexibilização que vem sendo adotada pelo governo estadual, a direção do SIFUSPESP reforça que a pandemia prossegue. Como não há vacina até o momento, o uso permanente de equipamentos de proteção individual (EPIs) pelos servidores penitenciários, como máscaras, e de insumos de higiene como álcool gel, além do distanciamento social, continuam sendo os principais meios de prevenir o contágio, seja nas unidades prisionais ou externamente. 

“É uma irresponsabilidade a flexibilização que o governo Doria tem feito. A pandemia não acabou, mas como toda essa flexibilização por questões econômicas, muita gente vem relaxando e deixando a proteção à vida em segundo plano. Os casos só vem aumentando em São Paulo, no Brasil e no mundo, estamos longe do controle da COVID, então vamos nos cuidar, por amor e respeito próprio, às nossas famílias e a todos e todas ao nosso redor”, alerta Fábio César Ferreira, o Jabá, presidente do sindicato. 

Dos 5,5 milhões de casos de coronavírus do Brasil, o estado paulista concentra 1,18 milhão, e dos 160.496 mortos no país, 39.364 vítimas são de São Paulo, segundo dados do boletim da Sead.

Alterado em 4/11/2020, às 18h13, para atualização de informações