compartilhe>

Novos servidores assumem no próximo sábado (3) em plano de ação para contornar crise gerada por dezenas de mortes em Altamira. Força-Tarefa de Intervenção Penitenciária já desembarcou no Estado

 

por Giovanni Giocondo

O governo do Pará decidiu antecipar em uma semana a posse dos agentes penitenciários aprovados em concurso público para atuar no sistema prisional do Estado. Os novos trabalhadores penitenciários assumem a função no próximo sábado (3). No total, 485 agentes começarão a trabalhar nas unidades prisionais paraenses, que não possuem funcionários efetivos.

A ausência de servidores estáveis é uma das razões apontadas pela FENASPEN para o aumento da insegurança nas penitenciárias e, consequentemente, da reprodução de confrontos violentos entre os sentenciados, a exemplo do ocorrido na última segunda-feira (29), quando 57 presos foram mortos por outros detentos no Centro de Recuperação Regional de Altamira.

Outros quatro detentos identificados como autores da chacina morreram durante a transferência para outras unidades nesta terça-feira (30).

As nomeações são parte da estratégia da Superintendência do Sistema Penitenciário do Pará (Susipe) e da gestão Helder Barbalho (MDB) para contornar a crise que assola o Estado após o massacre.

O governador também solicitou ao Ministério da Justiça e Segurança Pública o envio de homens da Força-Tarefa e Intervenção Penitenciária (FTIP), do Departamento Penitenciário Nacional (Depen) para atuar no Estado em caráter emergencial. Ao menos dez membros do grupo já desembarcaram no Pará na terça-feira.

A FTIP, que tem entre seus integrantes membros do Grupo de Intervenção Rápida (GIR) da Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) de São Paulo, já atuou em casos semelhantes de retomada do controle de unidades rebeladas e alvo de massacres no Amazonas e em Roraima, entre outros Estados.