compartilhe>

Cascavel - O Sindarspen (Sindicato dos Agentes Penitenciários do Paraná) quer que sejam suspensas as transferências de presos para a PEC (Penitenciária Estadual de Cascavel) até que não ocorra a contratação de novos agentes para trabalhar no local e que as obras de recuperação do bloco interditado após a rebelião de 2017 sejam concluídas. 

Leia em: https://oparana.com.br/noticia/alerta-de-rebeliao-sindarspen-pede-suspensao-de-transferencias-para-pec/ 

Entenda a visão do sindicato:

O SINDARSPEN protocolou nesta quarta-feira (20) um documento solicitando ao Departamento Penitenciário do Paraná a imediata suspensão de transferência de presos para a Penitenciária Estadual de Cascavel (PEC), enquanto não houver contratação de agentes para trabalhar na unidade e não forem concluídas as obras no bloco que está interditado há mais de um ano.

Com capacidade para 960 presos, desde novembro de 2017, quando aconteceu a última rebelião na unidade, a PEC está com somente dois dos três blocos que possui em funcionamento, podendo operar com apenas 576 vagas. No entanto, há hoje cerca 850 presos no local.

A situação fica ainda mais tensa na penitenciária em decorrência da falta de servidores para trabalhar na unidade. São, em média, 27 agentes por plantão (entre efetivos e temporários contratados via PSS) para fazer a custódia e movimentação de toda a massa carcerária, o que dá uma proporção de 31 presos para cada agente, quando o Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária (CNPCP) do Ministério da Justiça determina que essa proporção seja de 5 presos para cada agente. Ou seja, a PEC tem 6 vezes menos agentes do que deveria para obedecer os padrões de segurança.

Leia em: http://www.sindarspen.org.br/noticias/ler?link=sindarspen-pede-que-depen-suspenda-transferencia-de-novos-presos-para-a-pec-e-para-a-ccc