É o que mostra reportagem veiculada nesta segunda-feira, 03/04, pela TV TEM, afiliada da Rede Globo na região. No vídeo, disponível neste link: http://g1.globo.com/sao-paulo/sorocaba-jundiai/tem-noticias-1edicao/videos/t/edicoes/v/pacientes-reclamam-de-atendimento-precario-na-santa-casa-de-sorocaba/5773199/

é possível ver pessoas acamadas nos corredores do pronto-socorro, que sofre com a superlotação e a falta de estrutura para atendimento dos pacientes.

 

A situação aparece menos de uma semana depois de o Centro de Assistência Médica Ambulatorial(CEAMA) de Sorocaba anunciar que a Santa Casa seria o destino dos servidores públicos estaduais da região, que há anos cobram uma providência por parte do governo do Estado para terem acesso a um atendimento de qualidade na saúde.

 

A promessa da diretora da CEAMA de Sorocaba, Zineide Milan, era que os servidores começariam a ser atendidos até o final deste mês de abril. Mas diante das dificuldades que a Santa Casa enfrenta antes mesmo que esse serviço seja oferecido, é de duvidar que haja neste espaço condições de receber cada vez mais pacientes.

 

O SIFUSPESP, que havia divulgado em 28/03 notícia positiva sobre esta providência adotada em Sorocaba, agora vê-se na obrigação de criticar o descaso com a saúde pública que, além de comprometer a qualidade de vida da população em geral, coloca em xeque a possível extensão do atendimento aos servidores do sistema prisional.

 

A Santa Casa afirma que o atendimento foi precarizado devido a uma dívida de R$4,5 milhões de reais que a Prefeitura de Sorocaba possui e cujas parcelas não são quitadas desde janeiro deste ano.

 

O município teria se comprometido a pagar R$2,7 milhões até esta terça-feira, 04/04, o que ajudaria a minimizar os problemas do local. Cerca de 40% dos repasses feitos à Santa Casa são provenientes da Prefeitura.