compartilhe>

Em dezembro, deputado do Patriota chamou servidores de “vagabundos” durante debate sobre a reforma da previdência e pode até perder o mandato

 

por Giovanni Giocondo

O Conselho de Ética da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) acolheu um processo por quebra de decoro parlamentar feito contra o deputado estadual Artur do Val (Patriota). A sessão aconteceu durante sessão nesta quarta-feira (12), e a previsão é que a análise do caso aconteça após o recesso do carnaval.

Em 5 de dezembro, do Val usou a tribuna da Casa para atacar os servidores públicos paulistas que protestavam contra a votação dos projetos de lei 80/2019 e a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 18/2019, que estabelecem a Reforma da Previdência para o funcionalismo. A atitude causou revolta nos servidores e em diversos parlamentares, quando teve início um tumulto que culminou na suspensão da plenária.

A representação acolhida nesta quarta partiu do líder do PT na Assembleia, deputado Teonílio Barba. O processo será encaminhado a um relator que será responsável por elaborar um voto contrário ou a favor da denúncia. Com base nesse parecer, a comissão se manifestará sobre a punição que caberá ao deputado, que vai da advertência à suspensão, chegando até a cassação do mandato.

Também conhecido pelo apelido de “Mamãe Falei” nas redes sociais, sobretudo em canais no YouTube onde apareceu como crítico da política do governo Dilma, em 2016, o deputado é recordista em processos por quebra de decoro na Alesp, além de já ter sido expulso do DEM em novembro do ano passado por “conduta incompatível com os preceitos e deliberações do partido”.

O SIFUSPESP também está acionando Arthur do Val judicialmente em decorrência do mesmo episódio que trata o processo no Conselho de Ética. Na ocasião, ele se dirigiu ao presidente do sindicato, Fábio Jabá, “chamando-o para a briga” enquanto o sindicalista acompanhava a sessão plenária ao lado dos demais servidores.