compartilhe>

Em audiência no Senado, o presidente da entidade, Fernando Anunciação, destaca que a diferenciação da aposentadoria na reforma previdenciária "não tem nada de benefício nem de extraordinário", mas é um direito da categoria devido à insalubridade e às agruras enfrentadas pelos servidores ao longo da carreira

 

Por Flaviana Serafim

O presidente da  Federação Nacional Sindical dos Servidores Penitenciários (FENASPEN), Fernando Anunciação, participou nesta terça-feira (20) de audiência pública na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado que debateu a aposentadoria diferenciada que os trabalhadores e trabalhadoras das forças públicas reivindicam na reforma da Previdência.

Anunciação frisou que a reivindicação não é de uma aposentadoria "especial", mas diferenciada, devido à insalubridade e outras agruras enfrentadas ao longo dos anos de trabalho pelos servidores penitenciários de todo o país.  

"Não temos nada de especial, somos é sofredores. A diferenciação da nossa aposentadoria não tem nada de benefício nem de extraordinário para a categoria dos servidores do sistema penitenciário", afirmou.

Ainda segundo o presidente da Fenaspen, a situação da categoria é ainda mais difícil "porque sequer estamos garantidos na Constituição Federal como categoria das forças públicas. Vivemos o dia a dia da segurança pública de um jeito tão ruim quanto a polícia militar e as demais forças públicas", acrescentou. Confira o vídeo:  

A audiência pública requerida pelo senador Major Olímpio (PSL) contou com a participação de representantes de entidades de todas as categorias das forças públicas, e visa acirrar a luta pela garantia da aposentadoria diferenciada.

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 06/2019, que visa reformar a Previdência Social, segue tramitando no Congresso Nacional.