compartilhe>

Nesta semana, completamos um ano das lutas travadas em Brasília que levaram ao fim da Reforma da Previdência e deram impulso e reconhecimento (que foram acolhidos pela sociedade brasileira e por amplos setores políticos) de que devemos avançar legalmente, em todo o Brasil, no estabelecimento de um marco para regras gerais de uma Polícia Penal.                  

No ano passado, semanas antes da Batalha de Brasília, a nova diretoria Mudar para Lutar tinha acabado de assumir o controle de nosso sindicato, e ainda assistia a uma categoria descrente com as lideranças sindicais de até então.                                           

Nossa atuação como categoria nos dias 02 e 03 de maio de 2017, mudou este quadro, fomos valentes apoiando e colocando nossas vidas como cordão de batalha pela luta por direitos, em um momento que toda a população, movimentos sociais e sindicais, não conseguiam demonstrar força suficiente contra o desmonte promovido de forma muito acelerada pelo governo de Michel Temer.                                                   

Mas nós tínhamos clareza de nosso papel e força. E fomos à Brasília unir a categoria de São Paulo aos companheiros de luta de outros Estados. Foi por isso que fomos capazes de ocupar o Ministério da Justiça no dia 02 de maio do ano passado e forçar uma negociação com o governo. Fechada uma primeira negociação, porém, o governo não cumpriu sua palavra, regra social esta que ao descumpridor, dentro dos presídios, pode custar sua vida.                              

Foi neste momento que nossa bravura não faltou, e vários companheiros sindicais cercaram o Congresso e no dia 03 de maio de 2017 forçaram a suspensão do processo de tramitação da Reforma Previdenciária, ali o consenso de que a luta uniria a categoria penitenciária a todos os demais cidadãos brasileiros ficou claro!                                   

A imprensa tentou atacar de início a nossos companheiros e a nossas pautas, mas nossa organização na ação e comunicação sindical impediu este avanço. As redes sociais e de WhatsApp passaram a prestar atenção em um grupo social que era invisível, os trabalhadores e trabalhadoras penitenciárias.            

Antes as críticas e a desunião era propagada nos debates do dia a dia nas redes sociais, passado um ano já nos encontramos em um novo estágio coletivo, queremos propor mudanças para o sistema penitenciário, através da regulamentação de uma Lei Orgânica e da regulamentação de uma polícia penal que gere a modernização do sistema, considerando a visão de quem conhece o sistema de forma real, ou seja, a visão da categoria penitenciária.    

              

Sabemos que temos muitos adversários, que mesmo ocultamente nos querem impedir e manter nossa categoria dividida e submetida a injustiças administrativas e a um ambiente insalubre, sem recursos e de muita pressão para nos levar à doença, conflito e a morte prematura.    

Mas agora já estamos mais organizados, e temos estratégias de ação, coragem e força para enfrentar estas adversidades. Desde maio de 2017, ficou claro que não se deve calar a voz daqueles que fazem a gestão do que a sociedade não quer ver, a prisão. Não se deve calar a voz daqueles que têm coragem de enfrentar as mais duras lutas como ninguém jamais poderá esquecer, depois da Batalha de Brasília. Nós, mais que ninguém sabemos que a vida é uma luta travada dia a dia com coragem, inteligência e diálogo, quando este se faz possível.       

   

Orgulho, coragem e honra correm em nossas veias. E nesta semana todos devem lembrar disso.