compartilhe>

 

Muito se fala nesta época de todos os fatos que ocorreram no ano que se encerra, é a hora de fazer um balanço de tudo o que aconteceu, do que ganhamos e do que perdemos. Do que realizamos e do que deixamos de realizar.

Se fizermos isto em relação ao nosso sindicato e a nossa categoria, veremos um ano de grandes dificuldades e de muita luta. A partir de abril após um processo eleitoral complicado e difícil, tomou posse uma nova diretoria, com uma disposição de Lutar para Mudar os rumos do nosso sindicato e de nossa categoria. A disposição de luta ficou clara desde o início com as caravanas para Brasília, na luta contra a reforma da previdência, que em última instância impediram que a reforma acontecesse e prejudicasse os trabalhadores do sistema prisional e os demais trabalhadores do Brasil.

Na luta pela aprovação da PEC da Polícia Penal, que obteve um avanço histórico com a aprovação pelo Senado e com o intenso trabalho junto aos deputados de todos os partidos, culminou com um compromisso quase unânime da bancada paulista em aprovar a PEC, resultado este em que a diretoria do Sifuspesp teve um papel fundamental.

Tivemos inúmeras dificuldades devido aos erros do passado, desde o começo tivemos o compromisso de fortalecer a confiança da categoria na entidade, mostrar que sim o sindicato é a principal ferramenta de luta da categoria, é a espada e o escudo do trabalhador do sistema prisional paulista em qualquer luta que ele venha a enfrentar.

Na luta contra o PL da morte defendido pelo governo, que penalizou duramente os servidores públicos e a população paulista, vimos que temos que nos fortalecer ainda mais, fomos derrotados, mas a luta ainda não acabou, pois sabemos que foi apenas uma das muitas batalhas que lutaremos juntos.

Chamamos cada trabalhador e trabalhadora do sistema prisional a se juntar a nós, convidamos a cada um dos guerreiros que dão o seu máximo para evitar o caos no sistema prisional a se organizar conosco. Não oferecemos nada, senão a promessa de luta e respeito por sua opinião na construção de nossas estratégias. Não venderemos castelos no céu, pois sabemos que no Brasil de hoje e no sistema prisional, ainda mais, só a luta pode garantir os direitos, e só o respeito e a união entre os trabalhadores pode construir um futuro melhor.

Que seja um ano de lutas e realizações, pois sabemos que juntos e organizados seremos imbatíveis. Um sindicato não é um prédio, uma diretoria, ou papel com assinaturas, um sindicato é a expressão da vontade dos trabalhadores de uma vida melhor. Feliz ano novo!