compartilhe>

O Estado do Ceará passa por uma grave crise na segurança pública. Conforme tem divulgado a imprensa, trata-se de retaliações da parte das facções criminosas, que inclusive se uniram - Primeiro Comando da Capital (PCC) e Comando Vermelho (CV) - contra determinadas decisões no governo. O Governador Camilo Santana (PT), entretanto diz que não vai ceder às ações das facções, pelo contrário vai endurecer.

 

Há cerca de uma semana, uma série de ataques criminosos, ou seja, incêndios contra ônibus, bancos, prefeituras, comércios e prédios público têm acontecido, tendo iniciado no dia 2 de janeiro em Fortaleza e espalhado pelo interior do Estado. A imprensa contabilizou 171 ataques em 42 dos 184 municípios cearenses.

 

Para tentar conter a onda de violência em Fortaleza e no interior, o estado recebeu o reforço de tropas da Força Nacional e de policiais da Bahia. O governador Camilo Santana (PT) anunciou que 21 membros de facções criminosas presos no Ceará foram transferidos para presídios federais após os ataques.

 

Após ataques no Ceará, a Força Nacional foi enviada para reforçar a segurança. Ações criminosas começaram em Fortaleza e se espalharam para o interior. Para o governador os ataques criminosos são uma reação a uma "ação forte que o governo está realizando dentro do sistema prisional" e o governo não vai recuar.

 

Veja a cronologia dos ataque pelo link:

https://g1.globo.com/ce/ceara/noticia/2019/01/07/veja-a-cronologia-dos-ataques-no-ceara.ghtml

 

A exemplo do Ceará, Pará e Espírito Santo também tem passado por situação semelhante relacionadas à ataques do crime organizado. Nesta quarta-feira, 09/01, o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB) pretende pedir ajuda ao governo federal, para tratar do reforço da segurança, conforme o portal de notícias “o Globo”. https://oglobo.globo.com/brasil/a-exemplo-do-ceara-para-espirito-santo-pedem-ajuda-federal-para-seguranca-23356877

Já o governador do Pará, Helder Barbalho (MDB) fez o pedido do envio de 500 homens da Força Nacional para impedir o avanço da criminalidade. O pedido encontra-se em análise. O Pará sofre de ondas de violência desde o ano passado.

 

Acompanhe os acontecimentos no Ceará:

 

https://www.google.com/search?rlz=1C1AVSF_enBR779BR780&biw=1360&bih=657&tbm=nws&ei=cTY2XLTZLoi3wASM9qPADw&q=ataques+ceara+ceara&oq=ataques+ceara+ceara&gs_l=psy-ab.3...10023.19516.0.20213.32.26.6.0.0.0.215.2968.0j21j1.22.0....0...1c.1.64.psy-ab..4.1.123...0.0.olRUN9rGIUw



Mulheres protagonizam tentativa de entrada de ilícitos nos dias de visita

 

Neste final de semana (07 e 08/10), O SIFUSPESP traz o resultado do trabalho de apreensões realizado por agentes de todo Estado. A apreensão mais inusitada pode ter sido a de impressões do que conhecemos como “prints” de redes sociais misturados à comida a ser entregue a um sentenciado, em Mirandópolis.

Apesar disso, as apreensões realizadas no último final de semana no Estado de São Paulo não fugiu à habitual prática utilizada na maior parte das tentativas de entradas de ilícitos nas unidades: mulheres companheiras de detentos tentando levar entorpecentes.

É possível verificar o aumentado o número de mães e outros parentes (pais, irmãos) sujeitando-se à esta prática criminosa.

Isto resulta de uma pressão que ocorre de dentro para fora da cadeia. O sentenciado tem alguma “dívida” a pagar e seu familiar sente-se na obrigação de fazer conforme lhe é orientado, temendo pela vida do ente querido que encontra-se preso. Essa dinâmica faz parte de determinadas “regras” ditadas por facções criminosas que têm controle sobre os sentenciados de uma maneira geral.

A conhecida prática de utilizar sola de chinelos para esconder drogas apareceu em dois casos divulgados pela SAP: em Mairinque e em Osasco. Outra modalidade de tentativa de entrada têm sido por meio das costuras de roupas ou forros colocados nelas. Um extrato de banco foi um dos objetos escondidos no vestuário, especificamente em Capela do Alto.

No Vale do Litoral a tentativa inusitada foi a entrada de um microcelular dentro de uma caixa de sabão em pó, descoberto durante a revista dos agentes. Confira:

https://www.sifuspesp.org.br/noticias/6026-apreensoes-na-capital-e-grande-sao-paulo

https://www.sifuspesp.org.br/noticias/6030-apreensoes-na-regiao-central-2

https://www.sifuspesp.org.br/noticias/6027-apreensoes-na-regiao-noroeste-2

https://www.sifuspesp.org.br/noticias/6025-apreensao-no-vale-do-paraiba-e-litoral

https://www.sifuspesp.org.br/noticias/6031-apreensoes-na-regiao-oeste-do-estado-2