compartilhe>

 

Sindicato dos Funcionários do Sistema Prisional do Estado de São Paulo reúne-se com diretoria da unidade levando as demandas das agentes penitenciárias

 

A Penitenciária Feminina de Pirajuí recebeu a visita do Sindicato dos Funcionários do Sistema Prisional do Estado de São Paulo (SIFUSPESP) representado por componentes de sua diretoria, destacando a Agente de Segurança Penitenciária (ASP) Stella Kulaif Moreira, diretora de base da região e a vice-presidente Márcia, naquele momento representando a base feminina da categoria. Junto à elas o diretor jurídico Wellington Oliveira, o secretário geral José Ricardo de Oliveira Mesiano e o primeiro secretário Reinaldo Duarte Soriano.

A visita aconteceu na última quarta-feira, dia 10/01, a primeira do ano e faz parte do calendário de 2018 do SIFUSPESP que pretende atender ao chamado da categoria para estar nas unidades prisionais cobrando dos diretores gerais dos presídios melhorias de trabalho, atendendo as queixas do trabalhador penitenciário.

Os diretores do sindicato foram recebidos pela diretoria geral da unidade, realizando uma reunião para ouvir as dificuldades trazidas pelas ASPs. Segundo Stella, a diretoria geral da penitenciária comprometeu-se em verificar as situações levadas, demonstrando abertura e cooperação.

 

Stella ainda afirma que visitas como esta trazem credibilidade e força ao sindicato e são sempre benéficas, principalmente para as ASPs que sentem-se desamparadas em relação às suas necessidades. “Essa credibilidade foi se perdendo com o tempo e a nova administração do SIFUSPESP pretende retomar com ações desse tipo”, assegurou ela.

 

A mulher ASP e a Penitenciária feminina

Uma penitenciária feminina tem grandes diferenças se comparadas com uma masculina. Mulheres chegam até ela por cumplicidade aos seus companheiros envolvidos com o tráfico. Muitas são mães e possuem forte ligação emocional com os filhos e grande sensação de perda e isolamento.

Segundo Stella Kulaif Moreira, a superlotação e o déficit funcional são os principais problemas enfrentados pela funcionária prisional. Para ela, a dupla jornada enfrentada pela mulher também desgasta a ASP.

“Somos esposa, mãe, filhas. Nossas demandas em casa são praticamente infinitas. Não temos descanso. Na penitenciária, especificamente em Pirajuí, vejo mais do que coragem nas companheiras e por isso respeito o trabalho das agentes de maneira responsável. Conheço a realidade e resolvi lutar pela mulher servidora”, explica a diretora de base.

“Vamos além da nossa responsabilidade. As ASPs acabam sendo as ouvintes do desprovimento das presas, que muitas vezes querem apenas desabafar. A ASP acaba acumulando função de “psicóloga”, “assistente social” e “enfermeira”, além de assumir o cuidado de dois ou três postos de guarda”, relatou.

“Muitas companheiras acabam tão cansadas e doentes que saem de licença. Muitas vezes precisamos de apenas um dia de silêncio. Não temos. Temos nossas necessidades emocionais. Não conheço uma ASP que não faça uso de medicamento para depressão ou ansiedade, ou algo mais grave”, afirmou.

 

Necessidade da luta sindical

O SIFUSPESP entende que devido as mudanças políticas do país, um enfraquecimento sindical acabou acontecendo. Mas o SIFUSPESP, com sua nova diretoria, tem sido um dos sindicatos no país que tem apontado sua política sindical no sentido contrário, ou seja da luta, e estamos no momento de nos unir e nos fortalecer. “Nesta visita percebi que a categoria sentiu uma aproximação e uma esperança de que o sindicato esteja sempre presente, como pretendemos”, disse a vice-presidente  do sindicato, Márcia Barbosa.

“Organização e militância constante farão com que as ASPs sintam a presença dos representantes da categoria e representadas unam-se a luta, agregando força”, finalizou a vice-presidente.

 

O Sindicato dos Funcionários do Sistema Penitenciário do Estado de São Paulo (SIFUSPESP) disponibilizará linhas de ônibus com custo acessível para transporte de servidores, com itinerários de São Paulo para o Interior e do Interior para São Paulo.
Disponibilizamos uma ficha de cadastro para viabilizar o projeto. Temos necessidade de ter conhecimento do interesse real da categoria, assim como locais de proveito para os possíveis beneficiários desta locomoção e horários que sejam úteis para os mesmos.
Aos filiados que se interessarem pela “Linha Sifuspesp”, ajude-nos a concretizar este projeto nos fornecendo informações. Segue a ficha de inscrição.
Una-se a luta. Filie-se ao SIFUSPESP.

 

O SIFUSPESP chama a categoria para compreender a conjuntura política e lutar estrategicamente por seus direitos

 

A categoria dos funcionários do sistema prisional levantou dúvidas a respeito da aprovação da Lei Orçamentária do Estado de São Paulo. O SIFUSPESP tem informado e esclarecido a respeito das consequências da decisão tomada pela maior parte dos deputados que aderiram os ideais da base do Governo Alckmin(PSDB).

 

Pretendemos com isto traçar um planejamento para que nossa história não seja manchada e esmagada pelas mãos do projeto tucano de fortalecimento dos donos dos grandes capitais, beneficiados pelo massacre dos trabalhadores.

 

Não é uma canção de lamento. É uma cartilha dos fatos que hoje regem nossas vidas e que projetam um futuro desastroso, principalmente para o sistema prisional, há décadas em crise, hoje estourando. Observamos Goiás, Mato Grosso do Sul, Amazonas, entre outros estados o desespero do servidor prisional.

 

O Estado de São Paulo é uma panela de pressão ainda maior, berço da principal facção criminosa que tem abraçado inclusive indivíduos no Paraguai e Venezuela na promessa de “uma vida melhor”: O Primeiro Comando da Capital (PCC).

 

É preciso compreender contra o que precisamos lutar para nos armarmos com os instrumentos corretos, para que nos protejamos da melhor maneira perante a realidade destrutiva imposta para a população e que lutemos da maneira que acreditarmos, porque o sindicato pretende construir de forma PARTICIPATIVA os próximos passos que daremos. É hora de acreditarmos na categoria, na nossa força e união.

 

Em entrevista concedida pela deputada estadual Márcia Lia (PT), alguns questionamentos que chegaram a nós foram respondidos de maneira clara por quem acompanhou o processo do projeto de desmonte do serviço público. Lia é parte de uma minoria de 18 deputados dentro da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp). Como minoria opositora, tais deputados têm procurado, já que não terão o apoio necessário nas votações, alertar a população, a fim de que ela levante-se em prol de si mesma. É hora de cada vez mais ficarmos atentos.

 

SIFUSPESP - De maneira didática, o que seria “a queda de recursos do Tesouro para investimentos de um Estado?”, e a diminuição de tal capacidade traria quais consequências. De maneira geral e especificamente no caso da pasta da Administração Penitenciária?

 

Marcia Lia - Os recursos do Tesouro de um ente da Federação são, em sua maioria, oriundos dos impostos pagos pelos cidadãos e pelas empresas. A capacidade de investimentos se dá no que sobra de receita menos a despesa. Se a receita é maior que a despesa, sobram recursos para investimentos. Se a despesa é maior que a receita os investimentos ficam comprometidos.

No Orçamento para ser executado em 2018 estão previstos R$ 4,6 bilhões para a Secretaria de Administração Penitenciária, com investimentos – também previstos - de R$ 487 milhões destinados para a “ampliação e modernização do sistema prisional”. O problema é que entre a previsão e a execução do orçamento há uma distância grande.

Por exemplo, há um ano, em 16 de janeiro de 2017, o governador Geraldo Alckmin congelou R$ 5 bilhões dos R$ 206 bilhões previstos no Orçamento estadual. Só no orçamento da SAP foram congelados 21,7% dos investimentos previstos quando da aprovação da lei orçamentária no final de 2016.

Com a aprovação, pelos governistas, do PL 920/2017, o governo paulista fica autorizado a renegociar a dívida paulista com a União, dando como contrapartida o congelamento dos gastos do governo por dois anos. A partir daí, os investimentos poderão ser feitos somente de acordo com a inflação do ano anterior.

 

SIFUSPESP - Durante a leitura da Lei do Orçamento, vários apontamentos foram feitos pela parte da oposição a respeito de perdas drásticas em todas as secretarias. O que o estado de São Paulo perde com a aprovação orçamentária da maneira que foi feita?

 

Márcia Lia - O governador Geraldo Alckmin vem reduzindo drasticamente os investimentos, especialmente na área social, mas isso ocorre com a Segurança Pública, a Saúde, a Educação etc.

Para ter-se uma ideia as reduções atingem áreas essenciais, como as de Logística e Transporte (-19,5%), Educação (-27,6%), Habitação (-1,9%), Cultura (-45,3%), Administração Penitenciária (-70,7%), Desenvolvimento Econômico (-27,5%), Meio Ambiente (-73,3%), Fazenda (-46,7%), Saúde (-10,2%), Secretaria de Agricultura (-27%) e Desenvolvimento Social (-75,9%).

O povo do estado de São Paulo perde em receber de volta aquilo que já pagou em impostos, com a falta de medicamentos de alto custo, com a falta de apoio às Santas Casas, com a precarização maior da merenda escolar, com a falta de professores nas salas de aula, com a precarização dos equipamentos de segurança pública, com a falta de leite para crianças carentes, com a redução dos programas de habitação social, entre outros.

 

SIFUSPESP - Houve uma denúncia de um texto não lido e levado a votação. De que forma isso será tratado?

 

Márcia Lia - Isso foi muito sério. A bancada do PT e de outros partidos de oposição resistiram e questionaram fortemente tanto a aprovação das contas do governador como da Lei orçamentária para 2018, pois havia problemas nas duas matérias. Um problema sério nas duas matérias é a falta de transparência nas desonerações fiscais, que não são colocadas às claras para o parlamento e a população. Os valores ficam na casa dos R$ 15 bilhões, tanto no orçamento de 2017 como no de 2018.

O que ocorreu na Comissão de Finanças e Orçamento foi um escândalo, pois nós fomos impedidos de apresentar relatório com a análise da proposta de orçamento. Ao mesmo tempo, a base do governador fez 14 modificações, segundo levantamos na bancada, à proposta do projeto orçamentário.

Os governistas fraudaram o relatório do orçamento, alteraram, inseriram diversos itens à peça que estava em processo de votação, e impediram os deputados do PT terem ciência do que estava sendo aprovado.

Certamente essa quebra de regimento não ficará sem questionamentos. Imediatamente formalizamos denúncia com questionamentos à Presidência da Assembleia Legislativa. Na volta do recesso vamos discutir sobre possíveis ações de nossa parte contra o que chamamos de golpe.

 

SIFUSPESP - Algumas pessoas, fazendo uma comparação simplificada de números têm acreditado em um aumento de capital em pastas, inclusive na SAP, dando a entender inclusive que podem com a emenda aglutinativa do PL 920 ter benefícios. Alguns “blogueiros” têm noticiado esse discurso. Como podemos didaticamente explicar que tanto a lei do congelamento de investimentos, quanto o orçamento deste ano, de forma alguma são benéficos para a população?

 

Márcia Lia - A emenda aglutinativa nada mais é que a autorização ao governo de São Paulo de conceder reajuste ao funcionalismo mesmo na vigência do PL 920/17 (o PL da Maldade), que congela investimentos no estado e o salário dos servidores por dois anos. Também veta, em tese perdas pecuniárias e garante promoções e realização de concursos públicos “desde que observada, adicionalmente, a Lei Complementar Federal nº 101, de 04 de maio de 2000 (Lei de Responsabilidade Fiscal)”. Portanto, as chances de qualquer ganho com essa emenda aglutinativa é zero.

Nesta primeira semana do ano, o governador anunciou em redes sociais algum reajuste aos servidores, na faixa de 3,5% a 7%. É importante lembrar que há pelo menos quatro anos muitas categorias não tinham qualquer reajuste salarial e tais índices estão muito aquém do realmente necessário para repor perdas e garantir ganhos.

 

Sérgio Ribeiro Alves, o Serginho,  Agente de Segurança Penitenciária(ASP) do Centro de Detenção Provisória (CDP) da Praia Grande precisa da ajuda de toda a categoria. Serginho está afastado do trabalho por ter sofrido um Acidente Vascular Cerebral (AVC) e encontra-se internado em tratamento no Hospital do Servidor Público Estadual, em São Paulo, em estado gravíssimo de saúde, necessitando de doações de qualquer tipo sanguíneo.
O Sindicato dos Funcionários do Sistema Prisional do Estado de São Paulo (SIFUSPESP), se colocou à disposição da família para divulgar a dificuldade do companheiro de farda na certeza de que ele será ajudado neste momento de extrema necessidade.
Para ajudar, basta se dirigir até o Hemocentro do Hospital do Servidor Público Estadual, de segunda a sábado, das 8h às 16h, e direcionar sua doação.
O endereço é rua Pedro de Toledo, 1855, Vila Clementino, zona sul de São Paulo.
No momento da doação, é preciso informar o nome do ASP, aqui reforçado Sérgio Ribeiro Alves, como a beneficiado.

Para doar é necessário:
- Ter entre 16 e 67 anos de idade,
- Pesar no mínimo 50 quilos,
- Estar em boas condições de saúde e bem alimentado (recomenda-se evitar comida gordurosa quatro horas antes e bebidas alcoólicas nas últimas 12 horas).
- Menores de idade devem estar acompanhados de um responsável.

No total, serão oferecidas 416 vagas para candidatos a oficiais administrativos, enfermeiros, psicólogos, assistentes sociais e outros cargos. Inscrições serão abertas no próximo dia 23 e provas acontecem em março


A Secretaria de Administração Penitenciária(SAP) publicou nesta quarta-feira, 10/01, o edital do concurso público para a contratação de 416 profissionais que vão atuar nas áreas meio do sistema prisional paulista. A previsão inicial é que as provas objetivas aconteçam nos dias 24 e 25 de março.

As inscrições ficarão abertas entre os dias 23/01 e 23/02 exclusivamente pelo site da MS Concursos: www.msconcursos.com.br, empresa responsável pela organização do certame.

Para se inscrever, basta acessar o link que será disponibilizado, ler o edital, preencher a ficha de inscrição e pagar a taxa via boleto bancário. O valor ainda não foi divulgado, mas haverá isenções totais e parciais para determinados grupos de pessoas.

O concurso oferece 23 vagas para Agente Técnico de Assistência à Saúde(Psicólogo), 22 para Agente Técnico de Assistência à Saúde(Assistentes Social), cinco para Agente Técnico de Assistência à Saúde(Terapeuta Ocupacional), 25 para Analista Administrativo, cinco para Analista Sociocultural(Pedagogo), 265 para Oficial Administrativo, 51 para Técnico de Enfermagem, 12 para Enfermeiro e oito para Cirurgião Dentista

O edital ainda não está disponível no site da MS Concursos, mas os interessados já podem consultar as informações neste link. A empresa é a mesma que vem realizando o concurso para agente de segurança penitenciária(ASP) e agente de escolta e vigilância penitenciária(AEVP).

Os profissionais que atuam nas chamadas “áreas meio” são de fundamental importância para o bom funcionamento das unidades prisionais.

Seja em trabalhos burocráticos que exigem redobrada atenção para a elaboração de documentos, seja para o auxílio permanente aos agentes penitenciários ou mesmo na forma de atender em suas áreas específicas de atuação os detentos, esses profissionais colaboram de maneira essencial para que a segurança e a harmonia das unidades sejam mantidas e a legislação penal, cumprida.

Dessa forma, a notícia da realização deste concurso é considerada positiva pelo SIFUSPESP, que enxerga na presença de um maior número desses funcionários no sistema um caminho a ser percorrido para que o déficit desses servidores seja suprido.

O sindicato permanecerá acompanhando o andamento das diversas etapas deste concurso e informará por meio de seu site: www.sifuspesp.org.br e sua página na rede social Facebook: www.facebook.com/sifuspespsindicato as novidades a respeito do certame.