compartilhe>

 

Foto externa da PII de Lavínia, onde ASP foi agredido no último sábado

Nos últimos três dias, dois agentes de segurança penitenciária(ASPs) foram agredidos por detentos em duas diferentes unidades prisionais do Estado de São Paulo. A primeira agressão aconteceu no sábado, 13/05, na Penitenciária II de Lavínia, e  segunda ocorreu hoje, na Penitenciária I de Itirapina.

Em Lavínia, a agressão aconteceu quando o funcionário fazia a tranca dos sentenciados no pavilhão 5. Um detento que estava embriagado acertou um tapa no rosto do ASP, próximo à grade. O servidor não teve ferimentos, mas a denúncia chegou até o diretor de Segurança e Disciplina, que ordenou a tranca do pavilhão, o que deve perdurar pelas próximas duas semanas. No domingo, não foram permitidas visitas aos presos.

De acordo com o coordenador da sede regional do SIFUSPESP em Mirandópolis, Moacir Vanderlei de Brito, o ASP recebeu auxílio da diretoria da unidade e do sindicato. O grupo de Intervenção Rápida(GIR) esteve na P II nesta segunda-feira, 15/05, para fazer uma blitze com o intuito de apreender drogas, celulares e outros objetos ilícitos.

 

Em Itirapina, preso agride ASP durante atendimento médico

Já na Penitenciária I de Itirapina, um agente de segurança penitenciária(ASP) foi agredido por um preso nesta segunda-feira. O detento acertou um soco no funcionário, que ficou com um hematoma no rosto e foi socorrido pelos colegas. O servidor foi levado a um hospital para receber tratamento, já que a unidade não conta com médico.

Segundo relato do próprio agredido, que falou com a assessoria de imprensa do SIFUPESP enquanto fazia o boletim de ocorrência, o caso ocorreu no momento em que ele levava o sentenciado à enfermaria, depois que o preso relatou um quadro de incômodo e mal-estar.

O detento foi atendido pela enfermeira de plantão, que após o atendimento chamou o ASP para que o sentenciado fosse levado de volta à cela. Nesse momento, o preso disse que não voltaria, se levantou e deu um soco no rosto do funcionário, que conseguiu se desvencilhar e, com a ajuda de colegas, conteve o preso. A unidade permanece trancada.

O ASP, que falou com exclusividade ao SIFUSPESP, disse que sentiu-se humilhado diante da situação. “Em 23 anos de serviço dentro da SAP isso nunca havia acontecido comigo. Eu fico muito triste em ter sido vítima desse ataque sem qualquer justificativa, apesar de não ter me ferido com gravidade”, relatou.

Conforme informação do coordenador da sede regional de Araraquara do SIFUSPESP, Fernando Ferreira, foi lavrada a notificação de acidente de trabalho(NAT) sobre a agressão, que segundo ele ocorreu “apesar de o funcionário ter adotado todos os procedimentos de segurança padrão”.

Os dois novos casos reforçam as tendências de aumento no número de agressões contra agentes de segurança penitenciária nos últimos anos, causadas sobretudo pela superlotação de presos e pelo déficit de funcionários no sistema prisional. Em 2014, foram 15 casos registrados pelo SIFUSPESP, número que aumentou para 25 em 2015 e 40 em 2016. Neste ano, já aconteceram pelo menos 11 casos semelhantes.

O SIFUSPESP luta pelo fim das agressões contra os funcionários do sistema prisional e tem cobrado da Secretaria de Administração Penitenciária(SAP) medidas para tentar acabar com a recorrência desses casos dentro das unidades.

Para o presidente do SIFUSPESP, Fábio César Ferreira, a denúncia é a melhor ferramenta dos servidores para se protegerem dos ataques dos presos.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar